Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

quarta-feira, 11 de julho de 2012

1425 - Estavan Lutz - um caiense que viaja pelos mundos

Ainda jovem, Estevan Lutz já se destaca entre os autores brasileiros de ficção científica

O Voo de Icarus é o primeiro livro do autor caiense  

O caiense Estevan Lutz, com a sua imaginação, já fez grandes viagens pelo espaço e pelo tempo. Desde a adolescência, ele se interessou pelos livros de ficção científica e gostou tanto que passou também escrever histórias dentro desse gênero literário.
Filho de Elemar Lutz e Maria Luiza Weissheimer, Estevan nasceu e criou-se no Caí. Aos 32 anos, ele é solteiro e vive com os pais numa casa antiga da rua Pinheiro Machado. Uma casa especial, de arquitetura audaciosa para a época em que foi construída: 1925. Quem sabe a casa não o tenha inspirado a pensar além daquilo que todos pensam e a viajar por dimensões que poucos ousam transpor.
Estevan, depois de fazer seus estudos básicos na Escola Estadual São Sebastião, estudou na Escola Técnica Liberato, em Novo Hamburgo, onde aprendeu muito sobre ciência e tecnologia. Conhecimentos básicos para quem escreve ficção científica. E foi lá, também, que ele desenvolveu a sua inclinação para a arte de escrever, participando de concursos de redação que são promovidos naquela escola.
Desde essa época, Estevan Lutz aprecia os livros de ficção científica. Seus autores preferidos são Arthur C. Clarke, Isaac Asimov, Aldous Huxley, Carl Sagan e Douglas Adams.
Trabalhando atualmente como projetista elétrico industrial, ele se dedica - nas horas vagas - a escrever contos de ficção científica. Já participou de duas antologias de autores brasileiros (Invasão e Draculea) e teve o seu primeiro livro próprio publicado. O nome da obra é O Voo de Icarus.
A sinopse do livro é instigante: 
“Num futuro próximo, na cidade marítima de Agartha, a vida do jovem Icarus oscila entre dois vícios: a realidade virtual e uma droga alucinógena denominada nirvana. Em busca de tratamento médico, ele acaba se tornando voluntário para a experimentação de um avançado medicamento baseado na nanotecnologia, o Sinaptek, o qual, posteriormente, lhe causa uma extraordinária reação adversa: a projeção de consciência, o que lhe permite viajar por diversos lugares do planeta e para outros mundos, empreendendo uma jornada do centro do universo ao centro da inconsciência humana. Estaria tudo, apenas, na mente de Icarus?”
Estevan já trabalhou na Recrosul, na caiense Delta Frio e hoje trabalha na York Refrigeração, em Canoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário